sexta-feira, 28 de maio de 2010

Grameen Bank chega ao Brasil

O economista Muhammad Yunus, conhecido como o banqueiro dos pobres, ganhador do prêmio Nobel da Paz de 2006, fundador do Grameen Bank, instituição especializada na concessão de microcrédito aos pobres, prepara a chegada de sua instituição ao país, e foca principalmente as mulheres com renda mensal entre um e três salários mínimos.

O professor Yunus concedeu a seguinte entrevista à revista Exame que circula no dia 2/6/2010. Segue abaixo a entrevista.

1) Por que o Grameen Bank decidiu vir para o Brasil?
Nobel Muhammad Yunus - É um lugar repleto de oportunidades. Além de ser a maior economia da América Latina, o país vai receber a Copa do Mundo e a Olimpíada. Por outro lado, a pobreza e a desigualdade social permanecem em níveis altíssimos em regiões menos desenvolvidas. Queremos estar em todos os países que nos convidem e providenciem o capital inicial necessário.

2) E quando o banco entrará em operação?
Nobel Muhammad Yunus - Ainda não está definido. Neste momento, estamos avaliando as possibilidades e conversando com alguns investidores interessados no projeto. Mas o trabalho no Brasil já começou. Nossos executivos estão estudando o mercado, visitando as periferias e conhecendo melhor nossos futuros clientes.

3) Quem serão esses clientes?
Nobel Muhammad Yunus - Mais de 97% dos clientes do Grameen Bank em todo o mundo são do sexo feminino. No Brasil não deve ser diferente. São mulheres de baixa renda dispostas a investir num negócio próprio. Não emprestamos dinheiro para o consumo. Nossa filosofia é investir na produção, em coisas que gerem renda.

4) Quantos clientes o Grameen espera conquistar com sua atuação no Brasil?
Nobel Muhammad Yunus - Tomando como referência o desempenho de nossas outras operações, acredito que em cinco anos poderemos alcançar a marca de 10 000 famílias. No início, vamos operar com apenas uma base, mas a ideia é levar o Grameen Bank para todo o Brasil. Nossa missão é oferecer crédito para reduzir a pobreza onde quer que seja.

5) Os empréstimos são concedidos sem contrato. O senhor não teme sofrer com a inadimplência?
Nobel Muhammad Yunus - Não. Nosso modelo de negócios tem se provado eficiente desde o início, nos anos 70. Nunca tivemos problemas desse tipo em nenhum lugar. Nossa taxa histórica de adimplência é 97%. Só em 2009 emprestamos mais de 1,2 bilhão de dólares e recuperamos todo o dinheiro. O modelo bancário adotado pelo Grameen Bank pode funcionar em qualquer lugar.

6) Qual é o segredo?
Nobel Muhammad Yunus - De modo geral, nossos empréstimos são de valor baixo (no Brasil, o limite deverá ser de 300 reais) e os pagamentos dos tomadores do crédito devem ser feitos semanalmente. Os juros cobrados também ficam bem abaixo dos praticados no mercado. Além disso, o tomador de empréstimo sabe que, em caso de não pagamento, outras pessoas serão prejudicadas.Temos de trabalhar com os recursos disponíveis.

7) O Grameen Bank é rentável?
Nobel Muhammad Yunus - A operação precisa ser sustentável. Temos receitas e despesas, como qualquer banco. No ano passado, faturamos 209 milhões de dólares e tivemos um lucro de 5,3 milhões.

A exemplo dos grandes bancos comerciais, que só emprestam dinheiro para os mais abastados e que ofereçam garantias reais de pagamento dos empréstimos, o Grameen Bank empresta sem garantias reais, com uma taxa de retorno de seus empréstimos girando em torno de 98%.

Provando aos grandes bancos comerciais que os pobres são bons pagadores. Um exemplo local de tal afirmação são as Casas Bahia, que tem como público alvo, os pobres das classes C e D.

Créditos pela entrevista: http://portalexame.abril.com.br/revista/exame/edicoes/0969/economia/nossa-acao-brasil-comecou-563696.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sorteio de R$150,00 – você só precisa comentar!

Taí uma bela oportunidade ganhar R$ 200,00 com programas de afiliados!!! Acessem o link abaixo e vejam as regras para concorrer ao prêmio!!!...