Pular para o conteúdo principal

Blackberry entra no jogo


A canadense RIM começa a fabricar smartphones no Brasil. Com preços menores, vai brigar pelo consumidor final

Por Rodrigo Caetano
De futebol eles não entendem muito. Mas em matéria de telefones celulares, os canadenses da RIM (Research in Motion) podem ser comparados a seleções revolucionárias, como a da Holanda, de 1974, ou a da Hungria, de 1954. São eles que criaram e fabricam o BlackBerry, telefone inteligente (smartphone) que virou hit no mundo dos negócios.
 
103.jpg
"Quando você tem os fundamentos e a tática correta, é possível crescer mais de 1.000%" 
Jim Balsillie, copresidente da Research in motion

 
É possível dizer que um executivo sem um BlackBerry é quase como um jogador de futebol sem chuteiras. O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, brigou para poder usá-lo no exercício do cargo. Só que agora a empresa quer jogar também em outro campo: o do consumidor final brasileiro. Para isso, está iniciando a produção terceirizada de celulares na fábrica da Flextronics, em Sorocaba, São Paulo.
O modelo que inaugura a fabricação local, o Curve 8520, é recheado de aplicativos para o uso de redes sociais e compartilhamento de fotos e vídeos. Bem ao gosto do público jovem. “Quando você tem os fundamentos e a tática correta, é possível crescer mais de 1.000%”, afirmou Jim Balsillie, copresidente da empresa, que esteve no Brasil, na semana passada, para fazer o anúncio sobre a fabricação local, que foi antecipada por DINHEIRO na edição 606, de maio de 2009.
A frase de Balsillie foi cuidadosamente calculada. A RIM chega ao mercado brasileiro mostrando as suas credenciais: crescimento de vendas de mais de 1.300%, um milhão de BlackBerrys comercializados e uma fatia de 2,3% do mercado em 2009. Pouco? Sim, muito atrás da Nokia, a líder do segmento de celulares, e das coreanas LG e Samsung.
Mas, no quesito smartphone, a empresa canadense está atrás apenas da Nokia e à frente da Apple, com o seu badalado celular iPhone. O desafio da RIM para aumentar essa participação é convencer o mercado de que o seu celular pode ser atraente também para o consumidor final e não apenas para executivos engravatados.
 
104.jpg
Em busca do público jovem: o Curve quer atrair os adolescentes com aplicativos para uso 
de redes sociais e compartilhamento de fotos e vídeos
Lá fora, esse mito já começa a ser derrubado. No Brasil, esse é o desafio. Um dos trunfos é a fabricação local, que vai deixar o aparelho, em média, 30% mais barato, pois ganha incentivos fiscais semelhantes aos de um computador. “Podemos esperar um posicionamento mais agressivo tanto da RIM como das concorrentes”, diz a analista da consultoria Gartner, Elia San Miguel. No ano passado, de acordo com dados da consultoria, os smartphones representaram 5,7% das vendas totais de aparelhos celulares no Brasil.
Este ano, o porcentual deve chegar a 8,6%. Em média, os consumidores brasileiros levam 18 meses para trocar de celular, destaca João Bruder, analista de telecomunicações da consultoria IDC. Ao final de cada ciclo, a tendência é de troca por um aparelho mais potente, com mais recursos. “Os telefones inteligentes aparecem quase sempre como a primeira opção”, diz.
O mercado de smartphones é considerado a nova “terra prometida” dos celulares. Tanto que tem atraído uma série de gigantes, como Google, Microsoft e Apple. Todas estão interessadas em um universo de cinco bilhões de pessoas, número estimado dos assinantes de serviços de telefonia móvel no mundo ao final de 2010. “Estamos aqui para anunciar o início da produção em março, não para dizer que vamos fabricar no Brasil um dia”, disse o copresidente da RIM, Jim Balsillie, dando a entender que vai disputar o mercado brasileiro com fome de bola. Enfim, as estratégias estão lançadas e o jogo está apenas começando. Uma conclusão, porém, já é possível: para a RIM, a melhor defesa é o ataque.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O Mal que a Corrupção causa a um país e um povo

Prezados leitores do Blog do Oscar, lendo o jornal BBC Brasil On Line me deparei com a seguinte matéria sobre a dificuldade encontrada por empreendedores em abrir e manter seus negócios na Rússia, país tomado pela corrupção e leis retrógradas que atravancam o desenvolvimento do país, e tiram o sossego e o sono de empresários. 
Ser empresário na Rússia virou profissão de risco para aqueles que se recusam a vender seus negócios a pessoas estranhas, pressionados por autoridades fiscais corruptas, que agem de forma descarada, achincalhando os empresários honestos que geram empregos, renda e pagam impostos. 
Vejam que coisa mais absurda! Leiam a matéria, reflitam, e que possamos ficar atentos para que o mesmo não venha a acontecer no Brasil.
Russo diz ter sido preso por se recusar a vender empresa Empresário tomou empréstimos e investiu para modernizar indústria
Fazer negócios na Rússia é reconhecidamente difícil. Mas em poucos lugares o empresário pode ser preso por não querer se desfazer do s…

A FÁBULA DA GALINHA NA TERRA DA TRIBUTAÇÃO E DA SOLIDARIEDADE

Prezados leitores do Blog do Oscar, pesquisando em meus arquivos, encontrei essa pérola escrita por um amigo de profissão, que retrata muito bem a situação daqueles que vencem através da educação, do trabalho árduo, e que tem coragem de ser empreendedor no país da tributação, da corrupção, da malandragem, do jeitinho brasileiro, das mamatas, das falcatruas, do carnaval com suas mulheres quase nuas, da senvergonhice de alguns cidadãos e políticos, dos feriados, da cachaça, da cerveja, do futebol, dos políticos corruptos e bandidos, e por último, da vagabundagem que se estabeleceu em nosso tão amado país, chamado Brasil!
Leiam, ponderem e reflitam o texto abaixo! Estamos em ano eleitoral e precisamos acordar para os problemas que nos afligem todos os dias como cidadãos brasileiros! Principalmente, os impostos que tanto nos atormentam e que, como somos sabedores, a fatia maior do bolo de impostos, vai para o bolso dos políticos e funcionários privilegiados dos tres poderes. Nestas eleiçõe…

Eu odeio a Oi Velox Lixo

Prezados leitores do Blog do Oscar, nunca odiei uma empresa tanto quanto estou odiando a Oi Velox nesse momento. Necessito da internet para desenvolver grande parte do meu trabalho e desde segunda-feira passada estou tendo problemas com a conexão da Oi Velox Lixo que teima em cair a todo momento.
Há alguns meses atrás, passei pelo mesmo problema! Abri uma reclamação na Oi Velox Empresarial mas, nem me deram satisfação! Abri outra reclamação na ANATEL mas, com essa foi pior ainda, até a presente data não obtive nenhuma resposta por parte das duas empresas. Abri reclamação no site Reclame Aqui, outra decepção! Como não obtive êxito, resolvi não mais reclamar e logo que o contrato vencer no mês de setembro próximo, não o renovarei. Buscarei outras alternativas de acesso à internet.
Como não tenho a quem recorrer, escrevo esse post para sentar o pau (no bom sentido), para desabafar, para mostrar a minha indignação com  essa empresa porcaria, de quinta categoria, bem como, para sentar o cace…